O tráfico de drogas na jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça: análise crítica

Visualizações: 650

Autores

  • Dr. Juarez Cirino dos Santos Universidade Federal do Paraná - UFPR - Curitiba/PR
  • Dr. Maurício Stegemann Dieter Universidade de São Paulo - USP - São Paulo/SP https://orcid.org/0000-0001-8444-3922

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.8350295

Palavras-chave:

Criminologia, Política de drogas, Proibicionismo, Jurisprudência, Superior Tribunal De Justiça

Resumo

Uma análise da jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ) sobre o tráfico de drogas pode contribuir para racionalizar processos criminais responsáveis por 28% da população carcerária do País. Em prisões por tráfico de drogas com flagrante preparado, a permutabilidade da ação de vender imputada na denúncia, pelas ações típicas de ter em depósito, guardar, transportar ou trazer consigo drogas, além de artifício para contornar a Súmula 145/STF, desconsidera divergências de tipo subjetivo das ações permutadas, porque essas ações contêm o elemento subjetivo especial da finalidade de consumo pessoal (art. 28), ou de comercialização (art. 33) da Lei de Drogas. Mais ainda, a rejeição do princípio da insignificância porque o tráfico de drogas seria crime formal, ou de simples atividade, parece incompatível com a relevância atribuída à quantidade de drogas para configurar o tráfico e excluir o consumo pessoal, que mostra o tráfico como crime de resultado. E a negação do tráfico privilegiado (art. 33, § 4º) com base em inquéritos policiais e ações penais em curso também conflita com a Súmula 444/STJ, que proíbe tanto aumentar a pena, quanto evitar a redução da pena, situações processuais de igual significado prático. Finalmente, um giro pela Criminologia revela o fracasso da política punitivista sobre drogas: uma pesquisa de Dan Werb, no período de 1990 a 2010, constatou aumento da quantidade e da pureza das drogas no mercado internacional, assim como redução do preço da droga para o consumidor, apesar dos bilhões de dólares investidos na política proibicionista e da insuportável destruição da vida de jovens negros pobres das periferias urbanas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dr. Juarez Cirino dos Santos, Universidade Federal do Paraná - UFPR - Curitiba/PR

Professor de Direito Penal da UFPR. Presidente do Instituto de Criminologia e Política Criminal -ICPC. Advogado. Lattes CV: http://lattes.cnpq.br/3590883518608901

Dr. Maurício Stegemann Dieter, Universidade de São Paulo - USP - São Paulo/SP

Pós-Doutor pela UERJ. Professor Doutor de Criminologia e Direito Penal na USP.  Doutor pela UFPR com estágio de pesquisa doutoral na Hamburg Universität. Mestre em Direito do Estado pela UFPR. Lattes CV: http://lattes.cnpq.br/7476961188824155

Referências

BRASIL. Lei 11.343, de 23 de agosto de 2006. Institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas - Sisnad; prescreve medidas para prevenção do uso indevido, atenção e reinserção social de usuários e dependentes de drogas; estabelece normas para repressão à produção não autorizada e ao tráfico ilícito de drogas; define crimes e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2006. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11343.htm. Acesso em: 18 set. 2023.

BUENO DE CARVALHO, Amilton; CARVALHO, Salo de. Aplicação da pena e garantismo. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2002.

SANTOS, Juarez Cirino dos. Direito penal: parte geral. São Paulo: Tirant lo Blanch, 10. ed. 2022.

DAL SANTO, Luiz Phelipe Oliveira. A punição no Brasil: crítica do giro punitivo. 2020. Dissertação (Mestrado) – FACULDADE, UNIVERSIDADE, CIDADE, 2020.

JESCHECK, Hans-Heinrich; WEIGEND, Thomas. Lehrbuch Des Strafrechts: Allgemeiner Teil. Berlim: Duncker & Humblot: 1996.

KARAM, Maria Lucia. “Guerra às drogas” e saúde: os danos provocados pela proibição. In: LOPES, Lucília Elias; BATISTA, Vera Malaguti (Orgs.). Atendendo na guerra: dilemas médicos e jurídicos sobre o crack. Rio de Janeiro: Revan, 2014. p. 281.

SCHEERER, Sebastian. Limites sociais e legais da reforma da legislação de drogas. In: O Criminólogo alemão: uma jornada com Sebastian Scheerer. Tradução: Amós Caldeira. Revisão: Ricardo Genelhú. São Paulo: USP, 2018. p. 281.

SUANNES, Adauto Alonso. Os fundamentos éticos do devido processo legal. São Paulo, Revista dos Tribunais, 1999.

WERB, Dan; KERR, Thomas; NOSYK, Bohdan; STRATHDEE, Steffanie; MONTANER, Julio; WOOD, Evan. The temporal relationship between drug supply indicators: an audit of international government surveillance systems. British Medical Journal, v. 3, 003077, 2013. https://doi.org/10.1136/bmjopen-2013-003077.

Downloads

Publicado

2023-10-03

Como Citar

Cirino dos Santos, D. J., & Stegemann Dieter, D. M. (2023). O tráfico de drogas na jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça: análise crítica. Boletim IBCCRIM, 31(371), 5–9. https://doi.org/10.5281/zenodo.8350295

Métricas